Digital Transformation Index divulga dados globais de 2018

A segunda edição do Digital Transformation Index (DTI) foi recentemente liberada, com os achados referentes ao ano de 2018. O índice foi criado em 2016 e busca mensurar o grau de maturidade da transformação digital em escala global.

A pesquisa — que entrevistou 4.600 líderes executivos de mais de 40 países — é uma iniciativa da Dell, Intel e Vanson Bourne. Os entrevistados ocupam cargos que variam da Diretoria ao C-level de empresas de médio a grande porte, em 12 diferentes segmentos da economia.

78%

dos líderes acreditam que a transformação digital deveria ser mais difundida em suas organizações

51%

acreditam enfrentar dificuldades diante das novas demandas de consumo, nos próximos 5 anos

1 em 3

dos entrevistados temem perder a vantagem competitiva em seus segmentos

As empresas foram categorizadas em 5 grupos, de acordo com o grau de maturidade de seus planos de desenvolvimento digital. A partir da análise global dos dados chegou-se à seguinte distribuição:

Transformação Digital
                                                                                                Fonte: Digital Transformation Index 2018

Em relação à primeira edição do índice, notou-se em 2018 um aumento no número de empresas que compõem a categoria “Digital Adopters” — eram 14%, em 2016.  Os “Digital Laggards”, por sua vez, representavam 15% dos entrevistados, em 2016. Hoje, são apenas 9%.

No caso particular do Brasil, o estudo chegou à seguinte distribuição entre as empresas:

Dados Brasil. Transformação Digital
                                                                           Fonte: Digital Transformation Index 2018

Mas o maior foco da análise foi dado ao último grupo, os “Digital Leaders”, aqueles que conseguiram implementar a inovação digital no DNA da empresa. Entre eles, não foi notada nenhuma mudança nos últimos dois anos: continuam abrangendo apenas 5% dos entrevistados.

Disso foi possível extrair a grande primeira conclusão do estudo: a maioria das empresas não conseguiu dar passos realmente grandes em direção ao inevitável mundo da transformação digital. Quase 40% delas ainda se encontram nas fases mais iniciais, o que significa não terem intenção futura de investir em novas tecnologias ou estarem apenas executando testes das novas soluções, sem um olhar global estratégico da aplicabilidade das mesmas na empresa como um todo.

Países Emergentes desempenharam melhor que as nações desenvolvidas

Um achado interessante apontado pela pesquisa compara a maturidade dos projetos digitais nas empresas dos países chamados emergentes e dos considerados desenvolvidos. Há mais “Leaders” (27%) e “Adopters” (6%) no primeiro grupo quando comparado ao segundo — 20% e 4%, respectivamente.

Por região, as Américas configuram-se como as mais maduras (51%), seguida pela APJC (47%) e pela EMEA (45%).

Em relação aos segmentos, a liderança na transformação digital é dividida entre Telecom e Tecnologia, ambos com 50%, seguidos pelo setor Financeiro (48%).

Gás e Petróleo aparecem com 46% e as Manufaturas com 45%.

91% dos negócios enfrentam barreiras à transformação digital

Perguntados sobre as principais barreiras ao progresso da transformação digital dentro das empresas, os dados globais elencam as questões a serem solucionadas, em ordem de importância:

Transformação Digital. Problemas
                                                                                                    Fonte: Digital Transformation Index 2018

Em relação a 2016, a principal mudança foi em torno da Segurança e Privacidade. Na primeira edição do estudo, elas apareciam em 4° lugar. Agora, em 2018, estão no topo da lista. Questões regulatórias também subiram posições: em 2016 estavam em 9° e agora aparecem na 4° posição.

Por fim, o excesso de informações e dados também se destacou como uma importante mudança entre as duas edições do estudo. No primeiro ano, ocupava o último lugar entre as principais barreiras ao progresso dos projetos de transformação digital. Neste ano, está em 7° lugar.

O investimento em Internet das Coisas está na prioridade dos executivos

O estudo ilustra com a expressão “transformar ou morrer” a única opção possível para as empresas, frente à digitalização dos processos que se intensificará ainda mais nos próximos anos.

Por conta disso, os líderes entrevistados afirmam estar trabalhando na viabilização de planejamentos que consigam superar essas barreiras.

Para o curto intervalo dos próximos 1 a 3 anos, entre as dez mais importantes tecnologias — que estão no foco estratégico das diretrizes empresariais — a Internet das Coisas (IoT) aparece em 2° lugar.

A empresa de pesquisa IDC divulgou recentemente que os investimentos em IoT ultrapassarão o montante de US$ 1 trilhão até 2022. Só em 2019, são esperados mais de 15,4% de aumento nesses investimentos, alcançando o montante de US$ 745 bilhões em comparação aos US$ 646 bilhões do ano passado.

Entretanto, no topo da lista, a Cybersegurança posiciona-se como o principal foco para a maioria das empresas, justamente por impactar diretamente o sucesso de uma série de outras soluções que compõem a transformação digital como um todo.

Líderes acreditam que a transformação digital trará ganhos importantes

A implantação de estratégias digitais eficientes pode resultar em mudanças significativas para os negócios dos próximos 5 anos.

Perguntados sobre quais seriam esses principais benefícios, os líderes das empresas elencaram a seguinte lista:

1° – Taxas de Produtividade

2° – Lucratividade

3° – Crescimento de receita

4° – Retenção de clientes

5° – Retornos financeiros com os investimentos em TI

A próxima edição do Digital Transformation Index está prevista para 2020. O estudo completo pode ser consultado aqui.