Biomimética: o mais eficiente “benchmarking” para a inovação

Biomimética: o mais eficiente “benchmarking” para a inovação

Ao longo dos últimos 3.8 bilhões de anos, a Natureza tem se mostrado bastante rígida quando o assunto é controle de qualidade. Prova disso é que apenas um décimo (1/10) de 1% das espécies que já estiveram na Terra sobreviveram até os dias atuais.

Por essa razão, cada vez mais estudiosos, empresas, universidades e centros de pesquisa do mundo todo estão se debruçando sobre as 30 milhões de espécies vitoriosas para entender melhor suas estruturas fisiológicas, morfológicas e bioquímicas, além do modo como interagem com o meio ambiente.

A Biomimética acredita que o sucesso desse pequeno grupo remanescente deve-se à elevada capacidade com que atendeu o que se denomina “Princípios da Vida”. São eles os grandes responsáveis por permitir o sucesso evolutivo das espécies mais resistentes e adaptáveis.

Fonte: Biomimicry
Fonte: Biomimicry 3.8

Cada vez mais, esses princípios desempenham também um importante papel no desenvolvimento de novas tecnologias e modelos de negócios. Eles funcionam como “benchmarking” para que as empresas superem o desafio de prosperar de maneira sustentável, por sinal, uma das demandas mais importantes do século XXI.

A seguir, detalharemos três desses “Princípios da Vida”, cuja aplicabilidade prática na esfera dos negócios garantiu não só a sobrevivência de algumas empresas, mas sobretudo a sua compatibilidade com a nova realidade do mercado.

Evoluir para sobreviver: integrando o inesperado

O que é a evolução senão uma combinação aleatória de genes que se adapta melhor ao meio ambiente?

Ao longo dos milênios, grande parte das inesperadas mutações genéticas não levaram a resultados bem-sucedidos, que fossem compatíveis com a vida. Entretanto, algumas vezes, esses “erros” não só se mostraram viáveis, como também responsáveis por originar indivíduos mais bem adaptados e resistentes.

Dobras na pele do elefante: uma mutação que deu certo

Exemplo disso é o tamanho atual dos elefantes, o maior mamífero terrestre. Cientistas afirmam que uma mutação espontânea afetou a textura da pele do animal, deixando-a repleta de rugas. O que poderia ser apenas algo indiferente ou até mesmo prejudicial facilitou a sobrevivência. Com o aumento da superfície de contato pelas dobras, o organismo dos elefantes permitiu maior troca de calor com o ambiente, de tal forma que os corpos puderam aumentar de tamanho, sem o risco de superaquecimento.

Leia também:
Biomimética: a nova geração de tecnologias “inspired by nature”

Traçando-se um paralelo com o mundo dos negócios, algumas empresas também tiveram suas histórias marcadas por “erros” inesperados que impactaram positivamente os resultados. Foi o que aconteceu com a empresa 3M, um excelente exemplo de integração do inesperado. Anos atrás, enquanto tentava desenvolver uma nova cola, a 3M não alcançou o esperado, chegando apenas à uma versão inicialmente considerada como falha. Mas após o olhar visionário dos cientistas envolvidos no projeto, percebeu-se uma importante vantagem daquela mistura: a capacidade de ser reutilizada. Desde então, os Post-its tornaram-se um imenso sucesso e até hoje ocupam grande fatia da receita da empresa.

Adaptar-se às novas condições: respondendo aos contextos dinâmicos

Adaptar-se é uma das necessidades mais básicas e ao mesmo tempo mais desafiadoras para qualquer negócio. Diariamente, novas tecnologias surgem, impondo uma nova dinâmica ao mercado. As empresas que se mantêm saudáveis e competitivas por mais tempo são justamente aquelas capazes de se adaptar (e até mesmo se adiantar) a essas mudanças.

A Natureza é fonte extensiva de mecanismos de adaptação que garantem a sobrevivência das espécies. A camuflagem do polvo é certamente um dos exemplos mais interessantes. O animal é capaz de mudar a cor do corpo de acordo com a superfície em que se apoia. Para tanto, faz uso dos cromatóforos, pequenas células epiteliais ativadas por contração muscular. Com a camuflagem, os polvos conseguem se proteger dos predadores e caçar com mais eficiência, ao mesmo tempo em que se deslocam para diferentes ambientes com bastante segurança.

Polvo camuflagem
Camuflagem do Polvo: um exemplo de adaptabilidade aos contextos adversos

No mundo empresarial, são diversas as situações em que uma companhia precisa responder rapidamente às mudanças contextuais. Um bom exemplo disso é a nova relação do mercado com os dados.

Anos atrás, eram poucas as empresas que tomavam decisões com base na análise inteligente de dados. Por essa razão, a resposta aos problemas costumava ser muito mais lenta, comprometendo a eficiência dos processos e os retornos financeiros dos projetos.

Com o advento de novas infraestruturas de rede e de tecnologias de Internet das Coisas (IoT), as fábricas sofreram grandes mudanças. Sensores passaram a coletar uma enorme quantidade de dados e transmiti-los para softwares inteligentes em tempo real. Surgia a Indústria 4.0 e toda sua capacidade inédita de elevar a eficiência e a segurança dos processos fabris e reduzir drasticamente os custos operacionais, por meio de manutenção preditiva e melhor gerenciamento de fluxos.

Nesse contexto, as empresas que não se adaptaram com rapidez às novas tecnologias certamente sentem muito mais dificuldade para se manter competitivas atualmente.

Ser eficiente no uso de recursos: diminuindo o consumo de energia nos processos

Obter energia custa energia. Essa é a máxima que perfaz a Natureza desde o princípio e, a cada dia, torna-se mais crítica para uma sociedade ainda muito dependente de recursos escassos.

Não é à toa, portanto, que a energia é um dos grandes temas do século XXI. Nunca foram desenvolvidas tantas tecnologias com foco na redução do consumo, no combate à fraude e no uso de fontes mais limpas.

Um exemplo são as Smart Grids. Graças ao alto nível de tecnologia agregado, elas conseguem responder a várias demandas da sociedade moderna, tanto no que se refere às necessidades energéticas, quanto em relação ao desenvolvimento sustentável. A maior eficiência e controle do fluxo de energia proporcionam um conjunto variado e abrangente de benefícios para consumidores, concessionárias de energia e para o próprio sistema elétrico como um todo.

Leia também:
Elektro reduz 60% no custo de leitura com tecnologia de IoT

Os medidores inteligentes são o cerne desse sistema. Eles são versões mais modernas dos medidores convencionais e disponibilizam uma série de funcionalidades inovadoras, como o envio de eventos e alarmes, além da possibilidade de medição remota. Com isso, milhões de megawatts são economizados todos os anos, o que leva à redução na tarifa para os consumidores finais.

Na natureza, a hibernação é um dos mais eficientes mecanismos de proteção de energia utilizados por animais homeotérmicos, aqueles com temperatura corpórea constante. Durante o inverno, algumas espécies entram em estado de latência, reduzindo a frequência cardiorrespiratória e a temperatura corporal, que pode chegar a apenas 5° C. Com isso, elas conseguem se manter vivas, mesmo ficando quase quatro meses sem se alimentar.

Como se nota, as correlações entre o ambiente de negócios e a Natureza acontecem a toda hora, muitas vezes sem que sequer tenhamos ciência disso. Ao seguir os “Princípios da Vida”, inúmeras espécies ao longo dos últimos milênios têm desenvolvido mecanismos eficientes de sobrevivência que garantiram a sua perpetuidade na Terra. Muitas vezes, a inovação já está posta à mesa: cabe a nós desenvolver a capacidade de observá-la com mais atenção.