5G é realidade em 2019, mas promete se expandir em 2020

A infraestrutura 5G representa a próxima evolução de conectividade sem fio, expandindo as possibilidades de negócios para patamares nunca antes alcançados. Segundo recente relatório da MarketsandMarkets, o mercado de infraestrutura para 5G valerá quase 3 bilhões de dólares em 2020, podendo alcançar mais de 33 bilhões de dólares, até 2026.

Fonte: MarketsandMarkets. Porcentagem do mercado de infraestrutura para 5G por vertical da economia, até 2026.
MarketsandMarkets. Porcentagem do mercado de infraestrutura para 5G por vertical da economia, até 2026.

A razão para esse rápido crescimento deve-se, sobretudo, à demanda ascendente por serviços de dados móveis, comunicação M2M (machine-to-machine) e pela necessidade de maior cobertura e velocidade de conexão.

Segundo o relatório, nos próximos oito anos, a automação industrial e os eletrônicos de consumo serão os setores que mais absorverão a infraestrutura de tecnologia 5G, alcançando 20,5% e 18,4% desse mercado, respectivamente. O setor energético e de Utilities também será positivamente impactado. É previsto que ele represente 11,8% do total.

A rede 5G é capaz de absorver conexões simultâneas de forma bastante eficiente (até 100 vezes mais dispositivos conectados por unidade de área, todos com a mesma velocidade e latência), consumindo muito menos energia. Projeta-se uma redução de 90% no consumo, o que se traduz em dispositivos de baixa potência em ambientes industriais e baterias com 10 anos de vida útil. Além disso, por ser programável, a 5G é capaz de se desconectar automaticamente quando não estiver em funcionamento.

Por essas razões, a nova infraestrutura é essencial para a futura geração de soluções desenvolvidas a partir de tecnologia de IoT, sobretudo, em razão do elevado número de dispositivos inteligentes interconectados que são esperados nos próximos anos. Só até 2020, o mundo contará com mais de 20 bilhões deles, diz a Cisco.

Gemalto: 5G é 10 a 100 vezes mais rápida que 4G

A elevada velocidade é outro requisito fundamental para suportar o tráfego cada vez mais carregado de dados que partirão desses dispositivos. Ademais, a demanda por interações praticamente instantâneas com tempo de resposta tendendo a zero, faz da tecnologia 5G um requisito imprescindível para a efetividade das futuras soluções de IoT. Com ela, espera-se alcançar latência de no máximo 1 milissegundo, dez vezes menor do que os padrões atuais.

5G supera entraves atuais à Internet das Coisas

Existem quatro categorias de uso do 5G:

  •  Rede de Banda Larga Móvel (eMBB)
  •  Comunicação de Grande Confiabilidade e Baixa Latência (uRLLC)
  •  Conectividade Massiva Máquina à Máquina (mMTC)
  • Acesso Sem Fio Fixo (FWA)

Cada serviço apresenta requisitos exclusivos para seus aplicativos. Por exemplo, o eMBB requer banda de elevada largura e latência relaxada. O mMTC, por sua vez, requer baixa largura de banda e escala de conexão massiva.

Já o uRLLC demanda alta largura de banda, ultra confiabilidade e baixíssima latência. Isso permite que os dispositivos respondam aos comandos de forma quase imediata. Para um carro autônomo, por exemplo, esse avanço tem importância crítica, uma vez que os freios devem responder de forma instantânea. Com os padrões tecnológicos atuais (4G), a distância de frenagem ultrapassa os 3 metros, suficiente para ocasionar acidentes. Sistemas de segurança e vigilância inteligentes também precisam desse acionamento rápido para garantia de sua efetividade.

Leia também:
Celesc combate fraudes milionárias de energia com tecnologia V2COM 

A tecnologia 5G promete resolver importantes problemas que dificultam o progresso da Internet das Coisas. Entre os mais importantes, destacam-se: questões de conectividade, segurança de dados e automação de processos.

No que se refere especialmente ao Setor Energético e Utilities, os principais entraves a serem superados com a nova tecnologia são:

  •  Integração das inovações com a infraestrutura atual
  •  Redução do consumo energético
  •  Manutenção de grande volume de dados
  •  Automação ao longo dos processos que envolvem a distribuição de energia.

Já para as Manufaturas 4.0, o 5G vem para resolver as seguintes demandas principais:

  • Problemas de conectividade, baixa velocidade e alto tempo de resposta
  • Resistência de incorporação da inovação por parte da cultura corporativa tradicional
  • Promoção de uma comunicação M2M em tempo real
  • Sustentabilidade a longo prazo

Como está o avanço da 5G ao redor do mundo?

A Ericsson, prevê que, até 2024, as assinaturas 5G atingirão 1,9 bilhão, e que até 65% da população mundial estará coberta pela rede.

Entre os principais destaques estão:

  • Japão e Coréia do Sul começaram a trabalhar nos requisitos 5G em 2013
  • Suécia e Estônia disponibilizaram serviços comerciais em suas capitais em 2018
  • EUA e Canadá já disponibilizaram em algumas localidades, mas a tecnologia 5G não decolará antes de 2020
  • Na Alemanha (Berlim, Darmstadt, Munique, Bonn e Colônia) a 5G ficou disponível em setembro de 2019
  • No Reino Unido, algumas cidades já contam com a 5G, mas 2020 promete ser o ano de grande expansão
  • Índia está visando 2020 para a implantação da 5G
  • A meta do Japão é lançar oficialmente a 5G para as Olimpíadas de Verão de Tóquio 2020
  • China disponibilizou a tecnologia em alguns locais em 2019. Esperam-se mais de 460 milhões de conexões 5G no território até 2025
  • O diretor da Qualcomm, Helio Oyama, declarou que a 5G chegará com mais peso ao Brasil em 2020