5G deve gerar R$13.5 bilhões em novos negócios no Brasil, aponta IDC

A IDC vê em 2021 o início da massificação da tecnologia 5G no Brasil, com a realização dos leilões de frequências, a ampliação de implementações de projetos e a consequente geração de novas receitas. Os investimentos em tecnologia e telecomunicações devem crescer 7,1% este ano, alcançando U$S 64.4 bilhões.

Segundo projeções da consultoria, apresentadas nessa quinta-feira (04/01), nos próximos dois anos, os casos de uso da rede de quinta geração devem gerar até R$13.5 bilhões em novas frentes de negócios no Brasil, envolvendo os principais pilares das tecnologias digitais, como Internet das Coisas (IoT), Big Data, Analytics, Cloud e robótica.

Para Luciano Saboia, líder para práticas de telecomunicações da IDC, o aspecto mais importante do 5G não está inicialmente ligado aos serviços destinados para os usuários finais, mas sim ao seu poder transformador:

“No ano passado, não existiam elementos para que 5G fosse realidade e as previsões são atreladas à oportunidade de negócios. Agora vemos o início da massificação do 5G, cuja elevada capacidade de conexões será o grande impulsionador para outras tecnologias”, reportou o Convergência Digital.

Saboia ainda destaca que a rede dá ênfase ao segmento B2B e que, por romper barreiras de conectividade, a rede permite acelerar e expandir implantações, além de orquestrar com mais eficiência uma série de frentes de negócios com muito mais facilidade.

Leia também:
Webinar FIEE 2020: Guilherme Spina fala sobre 5G e Indústria 4.0

Na coletiva, a IDC também apontou que os investimentos em edge computing e conectividade serão ampliados nos próximos anos. A computação de borda, por exemplo, deve crescer 16% ao ano (CAGR), entre 2019 e 2023.

Já a Cloud Computing segue forte no ambiente empresarial. Segundo Luciano Ramos, líder de TI corporativa do IDC, os ambientes estão cada vez mais híbridos e a nuvem tem se mostrado o caminho mais rápido para que as empresas consigam ampliar sua capacidade de processamento e resiliência operacional da TI.