Iluminação Pública Inteligente: porta de entrada para as Smart Cities

A pandemia de Covid-19 trouxe um desafio a mais para as contas públicas do Brasil. Um estudo da Confederação Nacional dos Municípios revela que, em 2020, quase 15% das cidades estouraram o limite de gastos imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal e cerca de 23% estiveram próximos de ultrapassar o teto.

A situação fica ainda mais desafiadora, quando levamos em consideração projeções que mostram uma forte tendência de crescimento das populações urbanas nas próximas décadas. A McKinsey, por exemplo, afirma que, até 2050, os espaços urbanos abrigarão mais 2.5 bilhões de novos habitantes.

Essa superlotação, claro, faz com que as melhorias em infraestrutura urbana sejam ainda mais necessárias, de tal forma que comportem a população com eficiência e sustentabilidade. E, para tanto, o mercado dispõe de uma série de novas tecnologias de fácil implementação, com impacto positivo ainda no curto prazo.

Porta de entrada para Smart Cities

Quando falamos especialmente sobre redução de custos, a iluminação pública inteligente aparece como uma importante estratégia para otimizar os orçamentos municipais. Em entrevista ao InfoMoney, Francisco Scroffa, presidente da Enel X no Brasil, afirma que essa economia pode chegar a 40%.

Para viabilizar a implementação dessas tecnologias, as prefeituras brasileiras têm contado cada vez mais com as Parcerias Público-Privadas (PPP). Ao contarem com a grande capacidade de investimento das empresas, os espaços urbanos veem desabrochar com muito mais rapidez o ecossistema das Smart Cities ao redor do Brasil. Por sinal, Francisco Scroffa defende que “a iluminação pública é a porta de entrada para as cidades inteligentes”.

Entre as vantagens que a nova tecnologia garante, destacam-se:

  • economia de energia e de recursos financeiros;
  • acionamento e desligamento das redes de iluminação à distância;
  • mensuração de performance e gasto energético;
  • atendimentos aos requisitos da Norma NBR 5101/2018;
  • diminuição dos gastos com manutenção (manutenção preditiva);
  • menor impacto ao meio ambiente;
  • menor poluição luminosa;
  • melhoria na reprodução de cor nos pontos iluminados por meio da tecnologia LED;

Além dos aspectos de luminosidade

Ao contrário do que se pode supor, as aplicações de Iluminação Pública podem ir muito além dos aspectos de luminosidade em si. Não à toa, essas novas tecnologias têm sido comparadas à porta de entrada das Smart Cities ou até mesmo definidas como a “Espinha Dorsal das Cidades Inteligentes”, conforme mencionou o relatório “Global Smart Street Lighting & Smart Cities”, do Northeast Group.

Isso porque os postes de luz onde as soluções estão implantadas podem servir de plataforma para uma série de sensores e dispositivos de IoT com diferentes funcionalidades. Apenas para citar alguns exemplos, essas tecnologias podem capturar dados para:

  • controle de tráfego
  • alerta de enchentes (a partir de sensores de nível de água)
  • controle de qualidade do ar atmosférico e ruídos sonoros
  • recarga de veículos elétricos
  • geração de energia solar (a partir de células fotovoltaicas acopladas às lâmpadas)

No último ano, locais onde o ecossistema de Smart Cities está mais consolidado passaram a utilizar os sistemas de iluminação pública inteligente até mesmo para controle da pandemia de COVID-19.

Barcelona, por exemplo, aproveitou a infraestrutura tecnológica já consolidada nos postes da cidade para criar um sistema inovador contra aglomerações nas praias. A iniciativa tem ajudado os banhistas a se dirigirem para regiões que estejam menos lotadas e com menores chances de transmissão do vírus.

Motelight: solução V2COM para Iluminação Pública Inteligente

Estima-se que no Brasil existam ao menos 16 milhões de pontos de iluminação, concentrados especialmente nos espaços urbanos. Nos últimos anos, grande esforço tem sido desempenhado no sentido de substituir as lâmpadas tradicionais por LED, entre 45 e 60% mais eficientes. Mas a inovação promete não parar por aí.

Os espaços urbanos precisam ser cada vez mais inteligentes, controláveis e seguros. Para tanto, a V2COM desenvolveu o Motelight, a solução completa para telegestão e telemedição da iluminação pública com tecnologia celular de baixo custo (LPWA).

A tecnologia permite controlar remotamente o acionamento das luminárias, com base em diferentes parâmetros, e ainda disponibiliza os valores de consumo através de medição embarcada.

Veja também:
Cidadãos estão mais dispostos a pagar por serviços de Cidades Inteligentes

Ao desenvolver tanto o hardware de comunicação quanto o sistema de telegestão e telemedição, a V2COM oferece uma solução end-to-end facilmente integrável, flexível, robusta e segura. Desse modo, viabiliza a execução de comandos inteligentes à distância, reduzindo consideravelmente o consumo de energia e o custo das operações.


Conheça o Motelight