Redes celulares privativas: incremento em segurança e controle

Quando falamos em conectividade, independentemente de seu caso de uso, imediatamente pensamos nos desafios de segurança para proteger os dados em trânsito. O desafio aprofunda-se à medida que o número de terminais de IoT cresce mundo afora e as informações captadas, transmitidas e processadas tornam-se ainda mais sensíveis.

Por essa e outras razões, as redes celulares privativas, sobretudo no contexto de expansão do 5G, oferecem uma arquitetura capaz de mitigar ataques maliciosos e salvaguardar com mais robustez processos inteiros e as operações críticas desempenhadas pelas empresas.

Comparada à tecnologia Wi-Fi, por exemplo, as redes celulares privativas viabilizam o gerenciamento centralizado dos dispositivos conectados, o que também garante mais segurança.

O padrão 5G, em especial, facilita a base de segurança dessa arquitetura. Uma das razões está no uso de dados criptografados e mecanismos adicionais de proteção que evitam vazamentos e diminuem interferências.

Ganhos com redes privativas: segurança, flexibilidade e controle

Em linhas gerais, uma rede integralmente privativa não interage com a internet pública, oferecendo um canal seguro de transmissão de dados de forma independente e isolada. Dispositivos não autorizados não podem acessar a rede privativa, de tal forma que as organizações conseguem otimizá-la de forma mais flexível, proteger dados com mais efetividade, executar melhor gerenciamento de custos e ainda cumprir SLAs acordados com clientes.

Dados recentes publicados pela GSMA mostram que cerca de 25% das empresas entrevistadas buscaram cobertura local customizada em 2020, sendo que 88% delas ou já investiram em arquiteturas privativas ou irão fazê-lo ainda no curto prazo.

Redes Privativas
Fonte: GSMA Enterprise

No ambiente industrial, por exemplo, ganhos obtidos com o uso de redes celulares privativas permitem liberar o potencial represado da automação 4.0, garantindo melhor orquestração dos equipamentos e sistemas e, por consequência, crescimento mais acelerado dos negócios.

Com acesso restrito apenas a pessoas autorizadas que compõem a empresa detentora da rede, toda e qualquer informação vinculada ao negócio fica restrita ao ambiente limitado de operação.

Mais do que isso, esse maior controle e gerenciamento dos dados oferece ainda outras vantagens importantes, como a categorização de tráfego de acordo com a prioridade estabelecida pelas operações e um suporte muito mais ágil e efetivo.

Veja também:
O papel das redes privativas 5G na Indústria 4.0

Em termos práticos, isso significa que ao realizarem atividades relacionadas diretamente com a empresa, os colaboradores acessam diretamente o core da rede. Mas quando estiverem em ações paralelas, não ligadas ao trabalho, o fluxo dos dados vai para um outro caminho. Como consequência, temos a garantia de uso otimizado e seguro de dados, melhorando latência, capacidade e performance.

Por essa razão, a migração para redes celulares, especialmente diante da expansão do 5G, é um importante passo que as empresas estão tomando na tentativa de atender a todos esses requisitos, oferecendo serviços sempre disponíveis e confiáveis.