Investimentos em infraestrutura inteligente devem crescer 40% em 2022

O estudo Predictions 2022 da Forrester Research anunciou que neste ano os investimentos em infraestrutura inteligente devem crescer pelo menos 40%.

O movimento ganha fôlego após dois anos de pandemia quando os planejadores urbanos passam a dar maior foco em tecnologias digitais para garantir conectividade aos cidadãos, negócios, serviços e atividades com impacto na retomada do crescimento econômico.

A meta é garantir o gerenciamento inteligente de recursos críticos, como água, energia e iluminação pública, viabilizando a digitalização em larga escala das rotinas de medição e manutenção preditiva, garantindo o alicerce estrutural para outros setores da economia.

As tecnologias estão diretamente ligadas à redução de custos operacionais e diminuição de perdas, com impacto direto na qualidade dos serviços prestados, sem perder de vista o atingimento de novos parâmetros de sustentabilidade e crescimento no longo prazo.

América Latina: digitalização para crescimento no PIB da região

Esse cenário é ainda mais sensível quando pensamos na América Latina, a região mais urbanizada do globo, em que o desenvolvimento inteligente das cidades pressupõe o gerenciamento de uma quantidade infindável de ativos. Uma recente pesquisa da GSMA apontou as aplicações de IoT como fundamentais para superar os desafios estruturais típicos das cidades do século passado, permitindo o início de uma nova dinâmica digital compatível com as demandas do século XXI.

Segundo o relatório “A Economia Móvel da América Latina 2021”, a região deve experimentar um crescimento de 67% na expansão do 4G, número 12% maior que o estimado para 2020. A tecnologia celular é fundamental para garantir a escalabilidade e a segurança das aplicações de Internet das Coisas que impactam as questões estruturais das cidades, como o fornecimento de água, energia, gás, iluminação pública e saúde.

Leia também:
Quais os benefícios da tecnologia celular na telemedição de energia elétrica?

No que se refere ao 5G, a tecnologia deve somar 12% de todas as conexões até 2025, momento em que teremos ao menos 1.2 bilhão de conexões na América Latina, um volume capaz de gerar mais de 31 bilhões de dólares em receita.

Com a tecnologia de quinta geração, haverá um sobressalto bastante importante no alcance e robustez das soluções de IoT, especialmente em razão da maior largura de banda e velocidade de conexão disponíveis.

Por sinal, segundo dados do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), um aumento de 10% na penetração da banda larga na América Latina pode levar a um crescimento de até 3,19% no PIB e 2,16% em produtividade.

Esses dados são de fundamental importância, visto que a região ainda carece de tecnologias de ponta com aplicação sistêmica em diferentes setores da economia, capazes de garantir vantagem competitiva de forma plenamente sustentável.